O rouxinol e a rosa

 

Um rouxinol vivia no jardim de uma casa. Todas as manhãs, uma janela se abria e um jovem comia seu pão, enquanto olhava a beleza do jardim.

Sempre caiam farelos de pão no parapeito da janela.

O rouxinol comia os farelos, acreditando que o jovem os deixava de propósito para ele.

Assim, criou um grande afeto por aquele que se preocupava em alimentá-lo ainda que com migalhas.

 

Um dia, o jovem se apaixonou. Mas, ao se declarar, sua amada impôs uma condição para retribuir seu amor: Que na manhã seguinte ele lhe trouxesse a mais linda rosa vermelha.

 

O jovem percorreu todas as floriculturas da cidade, mas sua busca foi em vão. Nenhuma rosa... Muito menos vermelha.

Triste, desolado, ele foi pedir ajuda ao jardineiro de sua casa.

O jardineiro declarou que ele poderia presenteá-la com petúnias, violetas, cravos... Qualquer flor, menos rosas. Elas estavam fora de época; era impossível conseguí-las naquela estação.

 

O rouxinol, que escutara a conversa, ficou penalizado com a desolação do jovem...

Teria que fazer algo para ajudar seu amigo a conseguir a flor.

A ave então procurou o Deus dos Pássaros, que falou:

- Você pode conseguir uma rosa vermelha para o seu amigo...mas o sacrifício é grande e poderá custar-lhe a vida!

- Não importa, respondeu a ave. O que devo fazer?

- Bem, você terá que se emaranhar em uma roseira, e ali cantar a noite toda, sem parar.

O esforço é muito grande; seu peito pode não agüentar...

- Assim farei, respondeu a ave. É para a felicidade de um amigo!

 

Quando escureceu, o rouxinol emaranhou-se em meio a uma roseira que ficava em frente a janela do jovem.

Ali, pôs-se a cantar seu canto mais alegre, pois precisava caprichar na formação da flor.

Um grande espinho começou a entrar no peito do rouxinol, e quanto mais ele cantava, mais o espinho entrava em seu peito. Mas o rouxinol não parou.

Continuou seu canto, pela felicidade de um amigo. Um canto que simbolizava gratidão, amizade.

Um canto de doação, até mesmo da própria vida!

 

Pela manhã, ao abrir a janela, o jovem se deteve diante da mais linda rosa vermelha, formada pelo sangue do rouxinol.

 

 

Nem questionou o milagre, apenas colheu a rosa.

Ao olhar o corpo inerte da pobre ave, o jovem disse:

- Que ave estúpida! Tendo tantas árvores para cantar, foi se enfiar justamente em meio a roseira que tem espinhos. Pelo menos agora dormirei melhor, sem ter que escutar seu canto chato.

 

 

É muito triste, mas infelizmente cada um dá o que tem no coração...

Cada um recebe com o coração que tem.

 

Texto Original: Oscar Wilde

 

> Ver mais Textos e Crônicas

 

  Compartilhar