Pastoral Familiar

 

A família e o Dízimo

Infelizmente ainda há muitas famílias (apesar de participarem da Celebração da Santa Missa), não sabem ou não querem entender o que é  o “DÍZIMO”. Pois bem, Dízimo, não é “coisa” criada pelo Padre, Bispo, Papa ou pela Santa Igreja. O Dízimo é bíblico, é só ler a Sagrada Escritura que irão encontrar diversos livros com versículos que versam sobre o Dízimo, por exemplo, Levítico, Deuteronômio, Números Malaquias e outros.

No Antigo Testamento, vemos no livro de Números que na distribuição da terra prometida para as 12 tribos de Israel, os levitas não receberam seu pedaço de terra,  foram escolhidos para o serviço litúrgico, quer no sacerdócio (família de Aarão) quer nos serviços auxiliares, portanto como cuidavam do templo do Senhor, as demais tribos levavam as ofertas para o Senhor e para os sacerdotes, “ofertai integralmente os dízimos ao tesouro do templo, para que haja alimento em minha casa, e vereis se não vos abro os reservatórios do céu e não espalho em vosso favor a benção em abundância” (Ml.3,10). “Todos os dízimos do campo, sejam produtos da terra, sejam frutos das arvores, pertencem a Javé: São coisas consagradas a Jave” (Lv 27,30-32)

Todos sabem que a Igreja bem como qualquer empresa, tem caráter jurídico, há  receita e há  despesa, mas, ao contrário das empresas comerciais, a Igreja não visa lucro, e sim é solidária, piedosa e misericordiosa.

A empresa comercial, quando há necessidade de fazer caixa, a primeira atitude que toma é fazer uma promoção com baixa dos preços de suas mercadorias, dando desconto neste ou naquele produto. E a Igreja o que ela tem para vender? Esse é só um exemplo pelo qual nós todos devemos ofertar o dízimo.

Tomando por base a nossa Paróquia, convido vocês leitores, a analisarem comigo o seguinte: na Paróquia há despesas com velas, flores, água, energia elétrica, telefone, impressos, produtos de higiene e limpeza, funcionária para o escritório, funcionária para a limpeza geral da Igreja, CDs, incenso, vinho, partículas, folhetos dominicais, impressos para as festividades religiosas, assistência social, e, na casa paroquial também há gastos como qualquer casa de família, pois o Pároco e ou Vigário, tem que ter uma moradia digna para se viver e trabalhar. Além do mais, todos estão vendo a bela obra da construção da Matriz, onde  há gastos na aquisição de materiais de construção, salários dos serventes e pedreiros, obrigações sociais (FGTS e INSS),  daí a importância do dízimo em nossa Paróquia, pois sem ele seria impossível a realização das celebrações e construção da Matriz.

A melhor maneira que uma família verdadeiramente cristã tem a fazer é não questionar sobre o dízimo e sim ajudar a Pastoral do Dízimo, não só com palavras, mas  com testemunhos, como diz São Paulo, “as palavras comovem, mas os testemunhos arrastam” e é isso que a Paróquia precisa, de verdadeiros cristãos, fiéis a Jesus, conforme Ele foi fiel ao Pai e á humanidade, pois seu DÍZIMO foi dar sua vida  para que todos tenham vida e vida em abundância.

Dizimo é gesto de fé, e a fé nós não questionamos. Quem tem fé em Deus entende o que significa o dízimo e o oferece a Deus.

Um conselho para todas as famílias: Se querem negar o dízimo, não questionem e nem façam perguntas, não o ofereçam, mas... Pense bem nesta atitude que irão tomar.

Fiquem com DEUS, pois estamos com ELE.

 

> Ver mais em Religião

 

Compartilhe

 

 

 

 

Flag Counter